Materiais básicos de desenho para iniciantes

Menino com material de desenho nas costas

Qual o material básico necessário para um iniciante começar a desenhar? Precisa de muita coisa?

Se você é iniciante e pretende aprender a desenhar já deve ter se perguntado sobre “quais materiais eu devo comprar para aprender a desenhar?”.

Essa é uma dúvida frequente e bastante importante no início da jornada. E não porque os materiais são os mais importantes quando falamos em aprender a desenhar, mas sim para não desperdiçar muito tempo só buscando “o melhor material” para começar a desenhar.

Eu resumiria a resposta sobre qual material quem está começando deve comprar, basicamente em 3 materiais: lápis, papel e borracha. E no começo é comum a gente achar que precisamos de muito mais do que isso.

Como existem inúmeros tipos de materiais para diferentes tipos de finalidades, pode causar uma certa confusão logo de início de qual escolher. Afinal, existem muitas opções e os artistas sempre estão usando materiais diferentes em suas artes. Por isso é importante separar o que é aprender a desenhar com, fazer desenhos com pintura e arte final dos mais variados tipos.

Nesse artigo vou trazer além dos principais materiais de desenho que você precisa ter inicialmente, alguns tipos e opções sobre cada um deles e também o porquê de algumas coisas. Acho que assim tudo vai ficar mais claro para que qualquer aprendiz (independente do nível de experiência) possa aproveitar o conteúdo.

Também sinta-se livre para interagir nos comentários sobre o assunto.

ÍNDICE

  1. Papel
  2. Lápis
  3. Borracha

#1 - Papel

O papel é o nosso primeiro item, e ele tem tamanho e gramatura diferentes.

Tamanhos do papel

Imagem mostrando os tamanhos de papel mais comuns

Os tamanhos de papel são muitos e podem variar desde os tamanhos bem pequenos como é o caso do A10, até tamanhos bem maiores, como por exemplo o A0. E esses tamanhos acabam sendo utilizados para diferentes finalidades.

Para desenhar é mais comum ver os artistas utilizarem pelo menos 3 desses tamanhos com bastante frequência:

  • O A5 em sketchbooks: ele é menor e mais prático de levar para qualquer lugar, assim como o A6;
  • O A4 para esboçar e fazer desenhos no geral: é um tamanho bem versátil e que geralmente já temos em casa, e também mais fácil de encontrar para comprar; e no caso de guardar em pastas, acaba sendo mais prático também;
  • E o A3 para retratos ou páginas de HQ: no caso dos retratos é um tamanho mais interessante para emoldurar o desenho. E para HQs é útil o A3 porque você tem mais espaço para trabalhar principalmente os detalhes da arte. E no caso de escanear para produzir o quadrinho, é legal sempre ter as páginas bem maiores do que vai ser o produto final para evitar perda de qualidade.

Mas é claro que existem outros tamanhos e eles podem ser utilizados para diferentes finalidades também. Estes são apenas alguns exemplos.

Para um iniciante o papel sulfite A4 75g/m² está ótimo para desenhar. Ele é fácil de encontrar em qualquer papelaria, acessível em questão de preço, e às vezes você já tem até em casa para fazer os seus trabalhos de escola ou imprimir seus documentos. É exatamente disso que você precisa e nada mais.

Gramaturas do papel

Já a gramatura do papel tem relação com o peso do papel. Quando maior o número da gramatura, mais espessura e peso tem esse papel. E o peso do papel/área → (g/m²) vem sempre indicado na resma ou pacote de papel que você comprar.

Para um esboço qualquer podemos utilizar o papel que acabei de citar, o papel sulfite 75g/m². Mas em alguns casos é preciso de papéis com gramatura mais alta para aguentar o material que vai ser utilizado nele, como por exemplo para fazer trabalhos com aquarela é bastante utilizado papéis 300g/m².

Outro ponto importante da gramatura é que quanto mais fino, ou seja, menor gramatura tiver esse papel, mais fácil é ele rasgar ou amassar. Por isso em trabalhos de criação de páginas de HQ feitas no papel por exemplo, é ideal trabalhar com papéis um pouco mais grossos (180g/m²) para não só aguentar trabalhos com nanquim ou outro tipo de material mais líquido, mas também para não amassar com facilidade no momento de apagar esboços.

Em resumo, dependendo do tipo de material e finalidade do trabalho que você pretende fazer, é preciso escolher o papel adequado para cada situação.

#2 - Lápis

Os lápis tem suas graduações (6H, 5H, 4H, 3H, 2H, H, F, HB, B, 2B, 3B, 4B, 5B, 6B, 7B, 8B, 9B), e essas graduações são as diferentes tonalidades do grafite, sendo:

  • Lápis do tipo H (HARD/DURO) mais finos e duros;
  • Lápis do tipo F (FINE/FINO) tem pontas finas e resistentes;
  • Lápis do tipo HB (HARD/BLACK) um meio termo entre dureza do tipo H e negritude do tipo B;
  • Lápis do tipo B (BLACK/PRETO) são mais macios e mais escuros.

Quanto maior o número H, mais claro e mais duro será o grafite do lápis. E quando maior o número B, mais escuro e macio será o traçado.

É interessante conhecer essas graduações para saber o que usar na hora de fazer um simples esboço ou o sombreamento de algum desenho. Para cada tipo de trabalho você pode usar uma graduação diferente para chegar no resultado que você espera.

Lápis dos tipos HB, B e 2B funcionam muito bem para esboços ou escrita em geral. Isso porque não são nem muito duros, e nem muito macios. São fáceis de encontrar em qualquer papelaria e mais fáceis de apagar também.

Já lápis muito macios e escuros como 6B, 7B, 8B e 9B e alguns intermediários, são geralmente utilizados para sombreamento e preenchimento. Nem sempre tão simples de encontrar.

Para começar a desenhar escolha entre os tipos HB, B e 2B. É um ótimo conjunto para esboçar e também para definir melhor o desenho.

Dica para apontar o lápis

Fazer a ponta de alguns lápis pode ser um verdadeiro desafio, em especial aqueles mais baratinhos que não são construídos com um material tão interessante. Para esses casos o melhor é utilizar um estilete.

Na verdade o material ideal para fazer pontas de lápis é o estilete, com ele você consegue pontas mais longas e resistentes para trabalhar nos seus desenhos; além do que elas não vão ficar quebrando enquanto você aponta. Mas nem todo mundo tem em casa, não é indicado para crianças por ser perigoso e no início é complicado fazer boas pontas com ele; é preciso praticar.

Se você não puder usar os estiletes fique tranquilo que os apontadores vão funcionar, basta garantir que ele esteja com sua lâmina novinha. Se tiver muito velho ou enferrujado, vale mais a pena comprar outro.

Também utilize aquela dica de comprar lápis de marcas confiáveis, assim você vai conseguir utilizar mais tranquilamente o apontador para fazer as pontas do seu lápis.

Lapiseiras

As lapiseiras são o meu material favorito, e podem ser uma alternativa para os que tem problemas em fazer pontas de lápis. Eu por exemplo consigo fazer pontas, mas prefiro a praticidade das lapiseiras.

Os grafites, ou seja, as pontas que você insere nas lapiseiras também tem graduações assim como os lápis. Então você consegue encontrar as graduações para esboços e escrita facilmente.

#3 - Borracha

Também existem muitos tipos de borrachas (latéx, lápis borracha, borracha elétrica, borracha de lápis, borracha da lapiseira) e três delas são bem interessantes ter entre os seus materiais: as plásticas, as canetas-borracha e limpa-tipos.

Foto mostrando borrachas de tipos diferentes: BORRACHA PLÁSTICA Pentel HI-POLYMER SOFT, CANETA BORRACHA Maped e BORRACHA LIMPA-TIPOS Faber-Castell.

As borrachas plásticas são as que eu mais uso, elas são macias e não danificam tanto o papel como as borrachas escolares que literalmente raspam o papel.

Já as canetas-borracha são interessantes para apagar pequenos detalhes, evitando apagar com borrachas maiores mais do que você gostaria. No lugar delas é possível utilizar as borrachas de lápis ou as próprias borrachas que vem na lapiseira.

E a borracha limpa-tipos é aquela maleável tipo como uma massinha de modelar. Geralmente é cinzenta e é muito útil para retirar o excesso de grafite sobre o papel antes de apagar com um outra borracha.

Para o iniciante uma boa opção de borracha mais barata e que vai funcionar é a borracha da capinha vermelha da Faber-Castell. É bem fácil de encontrar e é uma boa borracha também.

Agora se você quiser testar outras opções e conseguir encontrar, eu gosto das borrachas plásticas HI-POLYMER da Pentel e da STAEDTLER Mars plastic. São a que eu já consegui usar e desde então opto sempre por elas. Compro através de lojas online.

Indico o vídeo Dica - Qual a melhor borracha para desenho? que mostrar várias opções de borrachas apagando o grafite do papel. Algumas são mais eficientes e outras menos, e isso pode interferir na sua escolha.

Conclusão

De básico é isso, não é preciso de nada mais para começar a desenhar e fazer seus primeiros desenhos. Você com apenas esses materiais vai conseguir desenhar bastante coisa tranquilamente. E aprender a desenhar está mais relacionado com estudo e literalmente colocar o lápis no papel do que ficar escolhendo materiais avançados.

Mas Mack, e a mesa digitalizadora não precisa?

Bom, depende do seu objetivo. Se a sua intenção no momento for aprender a desenhar uma mesa digitalizadora não é de forma alguma necessário; apesar de ter as suas vantagens. Mesmo assim acho mais adequado iniciar no papel para não dificultar ainda mais as coisas.

Agora, se o seu objetivo for aprender pintura digital, aí com certeza uma mesa digitalizadora vai ser mais confortável do que utilizar um mouse. Tudo é questão de saber o que você quer.

Então jamais se limite ao achar que ter uma mesa digitalizadora é um problema. Não é. Inclusive existem muitos artistas que ainda hoje fazem seus trabalhos principalmente no método tradicional. Cada um escolhe o caminho que se sentir melhor.

E como inspiração, alguns artistas que trabalham principalmente com o modelo tradicional desenhando no papel. As artes são incríveis!

Se ficou alguma dúvida ou você tem algo para acrescentar, sinta-se convidado(a) a participar nos comentários desse post. Assim dividimos experiências todos em conjunto.